quarta-feira, 3 de setembro de 2014

AS DIFERENÇAS ENTRE COSTA E SEGURO

A senilidade tem destas coisas: dá-nos coragem para uma certa incontinência verbal e, enfim, dá-nos oportunidade de expressarmos mais frequentemente aquilo que de facto sentimos. Enfim, é a reminiscência da autoridade que já se teve e a nostalgia por um estatuto que deixou de se ter. Acontece aos reformados de todos os ramos de actividade e muito particularmente da política. 
Vem isto a propósito do toque de clarim de Mário Soares e da recente almoçarada no Áltis de um quarteto de mediáticos grandes educadores socialistas, respectivamente, no lançamento e no estridente apoio público a António Costa no assalto à liderança do PS. 
Sem oposição declarada, Seguro tinha tomado conta do partido em circunstâncias difíceis, na sequência da estrondosa derrota de Sócrates que catapultou Passos para o poder, mesmo sem ter curriculum político ou de Estado para isso, como vai sendo cada vez mais trivial no nosso país. 
Tal como a Fénix a ressurgir das cinzas, Seguro arregaçou as mangas e procurou unir e reconstruir um partido destroçado, confortando camaradas derrotados - muitos deles seus adversários políticos internos - altamente comprometidos com a política de Sócrates de que a dívida pública não é para pagar. 
Só que Seguro - que é cavalheiro, leal e educado - esqueceu-se que quem o inimigo poupa às mãos lhe morre. A política de generosidade e complacência para com os adversários fê-lo distraír da sua identidade política e de princípios que genuinamente sempre defendeu, nomeadamente: 
  • o aperfeiçoamento da representatividade democrática dentro e fora dos partidos; 
  • o regionalismo e a defesa do interior do país;  
  • a ética e a transparência, através da separação dos negócios da política. 
Na sua longa carreira política no partido e em cargos públicos, António José Seguro apercebeu-se da deficiente representação democrática dos cidadãos propondo a reforma do parlamento e levando, agora, à prática um novo sistema de eleições internas do partido. 
Ao contrário do seu opositor - que é sulista, urbano e elitista, com "quadratura" assegurada continuamente nos media -, Seguro foi discretamente autarca no seu município natal e sabe que até mesmo um sinal de trânsito mal colocado pode prejudicar uma terrinha do interior, quanto mais a abolição de centros de saúde, de escolas, de repartições de finanças e de tribunais. E, se Seguro fosse presidente da Cãmara da capital, nunca deixaria ceder a uma casa regional um edifício que nem sequer serve para habitação. 
A transparência do Estado e a separação dos negócios da política é outra bandeira de Seguro, que deve ser de todos os partidos e de todos os portugueses. Basta lembrarmo-nos das consequências de casos como os do BES, do BPN, dos submarinos, do Freeport, das PPP's, etc. A não ser que distraídamente deixemos colocar como símbolos nacionais figuras públicas com as quais Alves dos Reis teria muito que aprender.

Sem comentários:

Publicar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails
                    TEMAS PRINCIPAIS
AUSTERIDADE  -  CONTAS PÚBLICAS  -  CONTRATAÇÃO PÚBLICA  -  CORRUPÇÃO  -  CRISE FINANCEIRA  -  CULTURA  -  DESPORTO  -  DGEMN  -  DIA COMEMORATIVO  -  DIREITOS FUNDAMENTAIS  -  DÍVIDA PÚBLICA  -  EDUCAÇÃO  -  ECONOMIA & FINANÇAS  -  ESTADO DA NAÇÃO  -  ÉTICA  -  HABILITAÇÕES  -  HUMOR  -  JUSTIÇA  -  LEGALIDADE  -  NOMEAÇÕES  -  PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO PÚBLICO  -  PLANO INCLINADO  -  POLÍTICA  -  POLÍTICA CULTURAL  -  PRACE  -  PRINCÍPIO DA MELHORIA INCONTESTÁVEL  -  REABILITAÇÃO  -  TERREIRO DO PAÇO