quarta-feira, 25 de abril de 2012

CARRILHO DEFENDE UMA NOVA REPÚBLICA

Manuel Maria Carrilho comentou as ausências das cerimónias oficiais comemorativas do 25 de Abril. Disse que os protagonistas não estiveram à altura da situação. Discorda dos ausentes, mas também considera impróprios os comentários a este respeito do Primeiro Ministro. Fala de crise do regime e diz que as posições assumidas traduzem uma grande perturbação que está no ar e atinge estes protagonistas.
Para Carrilho, é claro que há uma avaliação dos 38 anos de regime que está em curso. Estas decisões, estes manifestos são de lamentar; são um sinal de esgotamento do regime, consubstanciado nas dificuldades do governo e das oposições e na ausência do Presidente da República (o Presidente está longe de ser um protagonista forte do regime).
As presidenciais francesas foram também tema da conversa com Mário Crespo. Umas eleições que irão ter repercussões no futuro da Europa e de Portugal e que vão depender do voto dos eleitores da Frente Nacional (que é a força política que teve mais votos operários).

Sem comentários:

Publicar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails
                    TEMAS PRINCIPAIS
AUSTERIDADE  -  CONTAS PÚBLICAS  -  CONTRATAÇÃO PÚBLICA  -  CORRUPÇÃO  -  CRISE FINANCEIRA  -  CULTURA  -  DESPORTO  -  DGEMN  -  DIA COMEMORATIVO  -  DIREITOS FUNDAMENTAIS  -  DÍVIDA PÚBLICA  -  EDUCAÇÃO  -  ECONOMIA & FINANÇAS  -  ESTADO DA NAÇÃO  -  ÉTICA  -  HABILITAÇÕES  -  HUMOR  -  JUSTIÇA  -  LEGALIDADE  -  NOMEAÇÕES  -  PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO PÚBLICO  -  PLANO INCLINADO  -  POLÍTICA  -  POLÍTICA CULTURAL  -  PRACE  -  PRINCÍPIO DA MELHORIA INCONTESTÁVEL  -  REABILITAÇÃO  -  TERREIRO DO PAÇO