quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Por um governo de salvação nacional

A despesa com juros da dívida pública vai aumentar 26% em 2011, face aos quase cinco mil milhões de euros que o Governo espera gastar este ano. O Relatório do Orçamento de Estado prevê, só em juros, que as administrações públicas vão gastar 6,3 mil milhões de euros no ano de 2011.  

Entretanto, os sinais de desperdício e a falta de rigor continuam, quando os media referem que o Governo vai gastar  23 milhões de euros em seminários e publicidade e 53 milhões em pareceres jurídicos e serviços de consultadoria, ou conferem que, pelo menos, 9 das entidade a extinguir, anunciadas pelo Governo, já não existem.

Enquanto lá por fora se dão sinais de poupança, com a extinção de organismos e ministérios e a redução de postos de trabalho no sector público, por cá,  os jogos políticos continuam, qual novela da vida real.

Quase toda a gente considera que a proposta de OE 2011 do governo é má e baseia-se num cenário macroeconómico irrealista e, difícilmente, as alterações que o maior partido da oposição propõe, serão aceites pelo governo. Estas alterações têm implícita a corresponsabilização política desse partido num mau orçamento, que não estabelece qualquer estratégia para ultrapassar a crise económica e financeira que o País atravessa.

É urgente mudar de governo e ter uma estratégia. Chega de dialéctica fútil e de sofismas. Pedir cada vez mais sacrifícios ao povo não é solução, quando estes apenas vão servir de paliativos de uma dívida pública congénita da II República, que parece não ter soluções legais para, em tempo útil, vencer a crise e preparar o futuro.

Não temos líderes à altura. É tempo de ruptura e de despedir os políticos actuais. Parafraseando Camões: um fraco rei faz fraca a forte gente. É urgente um novo rumo. É urgente um governo de salvação nacional.

Meditemos, mais uma vez, na reflexão do Padre Ventura.

Sem comentários:

Publicar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails
                    TEMAS PRINCIPAIS
AUSTERIDADE  -  CONTAS PÚBLICAS  -  CONTRATAÇÃO PÚBLICA  -  CORRUPÇÃO  -  CRISE FINANCEIRA  -  CULTURA  -  DESPORTO  -  DGEMN  -  DIA COMEMORATIVO  -  DIREITOS FUNDAMENTAIS  -  DÍVIDA PÚBLICA  -  EDUCAÇÃO  -  ECONOMIA & FINANÇAS  -  ESTADO DA NAÇÃO  -  ÉTICA  -  HABILITAÇÕES  -  HUMOR  -  JUSTIÇA  -  LEGALIDADE  -  NOMEAÇÕES  -  PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO PÚBLICO  -  PLANO INCLINADO  -  POLÍTICA  -  POLÍTICA CULTURAL  -  PRACE  -  PRINCÍPIO DA MELHORIA INCONTESTÁVEL  -  REABILITAÇÃO  -  TERREIRO DO PAÇO